brindes promocionais
Sem categoria

Por que Investir em Brindes Promocionais?

Brindes Promocionais – Uma Excelente Forma de Divulgação

Uma pesquisa desenvolvida pelo Grupo Ipsos Brasil (empresa de pesquisa e de inteligência de mercado), mostrou que brindes promocionais são a terceira forma de promoção mais atraente para consumidores da América Latina. Mais de 50% dos brasileiros gostam de receber brindes de empresas.

A pesquisa também aponta que a maior parte dos entrevistados fixam a imagem da empresa em sua mente quando estão utilizando os brindes que ganharam.

Custo x Benefício dos Brindes Promocionais

Com uma pequena parte da sua verba de marketing é possível investir em brindes promocionais personalizados de qualidade com retorno significativo para sua empresa.

A Força do Brinde: uma ferramenta do Marketing Promocional

Mochilas Promocionais Personalizadas para Brindes

Estojos Promocionais Personalizados para Brindes

Uma outra pesquisa enfatiza a relevância do Brinde como uma estratégia de Marketing Promocional. A força de um brinde para ressaltar a sua marca na mente do cliente.

Fidelização – Nós seres humanos somos emotivos e o brinde está diretamente ligado as nossas emoções, ou seja, ele (o brinde) transmite atenção e carinho, sendo assim, há uma construção de elo entre a empresa e o cliente ou funcionário, fazendo o mesmo se sentir especial e valorizado ao ganhar aquele brinde especial.

(http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/a-forca-do-brinde-uma-ferramenta-do-marketing-promocional/54084/, acessado em 03/05/2017)

Cases de sucesso que ganharam a mídia

A Swarovski, assim como outras poucas empresas até o momento, identificou o nicho de mercado de brindes de luxo, de alto valor agregado, e montou uma estratégia mundial de inserção nesse mercado, identificando Brasil e outros países da América do Sul como os mais promissores.

Entre as peças oferecidas estão nécessaires, porta-lápis, canetas, chaveiros, entre outros, todos com cristais Swarovski, que variam entre R$ 5 e R$ 600. (Valor Econômico, 2013)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *